Liceu Pasteur - Ensino Médio, Fundamental e Infantil

Notícias / Reportagens

Voltar
Reportagens - 05/11/2010

Do Pasteur à USP

Alunos do Liceu Pasteur conquistam vagas na USP e evidenciam a importância da instituição para alcançar o sucesso em momento decisivo da vida acadêmica.

Momento de descontração junto ao marco de fundação do Liceu Pasteur

Com a proximidade do fim de ano, alunos do terceiro ano do Ensino Médio começam a se deparar com o aumento da ansiedade e incertezas sobre o futuro profissional. Mais que isso: sentem pesar nas costas a responsabilidade do bom desempenho no vestibular e como administrar o tempo diante de carga demasiada de estudos. Todos querem, é claro, estar nas melhores universidades do País e externam insegurança em relação ao preparo individual para atingir esta meta. A verdade é que uma das melhores fórmulas para entender o que pode ser feito para reduzir a pressão na hora de enfrentar esta importante etapa da vida acadêmica é acompanhar o histórico de outros estudantes do Liceu Pasteur que passaram pelas mesmas dúvidas e, ao final da caminhada rumo ao vestibular, conquistaram seus objetivos.

Rafael Meier e Thales Paiva são exemplos emblemáticos para evidenciar a importância de aliar a dedicação de cada um com o método de ensino de alto nível que a instituição oferece desde o início da vida escolar até a preparação final para o vestibular. Ex-alunos com extensa história dentro do Liceu Pasteur, os dois entraram na instituição ainda no primeiro ano do Ensino Fundamental e saíram das salas de aulas do Liceu, em 2009, direto para as dependências da mais almejada universidade do País: a Universidade de São Paulo.

Rafael destacou-se em Olimpíadas de Física e teve trabalho publicado 
na Revista do Professor de Matemática

Um detalhe que pode passar desapercebido é considerado por ambos o grande diferencial pelo sucesso no vestibular. Ao conversar com Rafael Meier e Thales Paiva, o que se percebe é que a decisão de fazer toda a trajetória acadêmica no Liceu Pasteur, do Ensino Fundamental I até o último ano do Ensino Médio, foi crucial para a qualificação do conhecimento e na formação do caráter. "Hoje, após já estar na universidade, considero que se tivesse mudado de colégio no meio do percurso, teria sido a pior decisão da minha vida escolar. No Liceu consegui fazer amizades sólidas e aproveitei toda a experiência dos professores para tomar a decisão da carreira que eu devia seguir", acrescenta Rafael Meier.

Para Thales Paiva, as conclusões são muito semelhantes. Ele considera que foi fundamental o apoio dos professores, principalmente na reta final. "Tivemos professores muito bem preparados para nos orientar e, ao decidirmos o que queríamos, foram os primeiros a nos apoiar. Não sei se em outros colégios conseguiríamos encontrar o suporte que tivemos aqui no Liceu Pasteur", complementa.

Thales aproveitou atividades extra-curriculares para ganhar novos
conhecimentos e fazer amigos

As histórias de Rafael Meier e Thales Paiva chegam a ser parecidas em alguns momentos. Os dois foram alunos que souberam aproveitar todas as atividades oferecidas pelo Liceu Pasteur, dentro e fora da sala de aula. Não por menos, foram destaques em Olimpíadas de Matemática, Física e até Astronomia. Rafael Meier, por exemplo, chegou a conquistar o segundo e o terceiro lugar em competição de Física de nível nacional no segundo e terceiro ano do Ensino Médio, respectivamente. Thales Paiva foi um dos estudantes que deixaram marcas quando o assunto é Xadrez. Desde a quarta série do Ensino Fundamental decidiu praticar o esporte. Resultado: conquistou duas vezes o Campeonato Paulista da modalidade.

Os dois são muito categóricos quando o assunto é o benefício que as atividades extracurriculares podem trazer. O Xadrez vale como exemplo por ter sido atividade comum entre os dois alunos. E eles fazem questão de estimular a todos a praticar este esporte. "O Xadrez mudou o modo com que eu analisava o que me era passado em aula. Passei a procurar saber melhor o que foi ensinado. O Xadrez aguça o raciocínio e estimula a busca por mais conhecimento", explica Rafael Meier, que é acompanhado por Thales Paiva na questão de estimular colegas do Liceu a aproveitar as oportunidades oferecidas e dá exemplo de outra atividade que muitas vezes recebe menos atenção dos alunos. "Eu, por exemplo, também participei das aulas de Culinária Francesa. Foi importantíssimo para aumentar minha rede de relacionamentos. Estreitei ainda mais a relação com alguns amigos e melhorei meu rendimento escolar ao tirar proveito de uma atividade que me trazia conhecimentos variados. Isto faz com que a gente procure cada vez mais por informações novas", acredita Thales Paiva.

O Xadrez como forma de desenvolver o raciocínio e a concentração

Preparação: Rafael Meier cursa Engenharia Civil e Thales Paiva Matemática Aplicada, ambos na USP. Para quem vê de fora, é algo ainda muito distante e difícil. Mas os dois lembram como foram os últimos anos de preparação e dão dicas importantes para quem está muito perto do momento decisivo. Tanto um como o outro reforçam a importância de prestar muita atenção às aulas. Acreditam que o estudo após o horário escolar é indispensável, mas que seu sucesso depende da atitude de cada um dentro da sala de aula. "Eu acredito que o que mais me ajudou foi ter atenção total na hora em que o professor está explicando a matéria. Depois, eu tinha melhores condições de revisar o que foi ensinado e, consequentemente, maior capacidade de absorção do conteúdo das disciplinas",recorda Rafael Meier, que mesmo assim manteve ao longo de todo o último ano do Ensino Médio uma rotina de estudos de aproximadamente 3 horas por dia depois da escola. Já Thales Paiva assume não ter mantido rotina tão intensa de estudos até o final do primeiro semestre com foco no vestibular. "O que me ajudou muito foi mesmo a qualidade com que as matérias eram abordadas dentro da sala de aula. Também tive cuidado de aproveitar as conversas com os professores para entender o que viria pela frente e me preparar", confidencia.

A atenção dispensada dentro da sala de aula levou os dois a conseguir ótimos resultados já na conquista de bolsa de estudos em qualificado Cursinho Pré-Vestibular. Os dois fizeram o Cursinho paralelamente ao Liceu Pasteur, no segundo semestre do último ano. Rafael Meier conseguiu bolsa de 71% e Thales Paiva de 68%. "Foi muito interessante ter feito o Cursinho Pré-Vestibular, mas reforço que era mais uma forma de revisar o que aprendemos no Liceu Pasteur. Tínhamos dentro da nossa escola ensino de alto nível. Percebi isto ainda mais forte quando tivemos a experiência de estar em contato com estudantes de outras escolas", sublinha Rafael Meier.

A impressão de ter escolhido o Liceu Pasteur, considerada uma das melhores instituições de São Paulo, também apareceu de forma mais clara já na universidade. Os dois concordam que chegaram altamente preparados para enfrentar qualquer situação, tanto nos desafios acadêmicos para a graduação quanto os que devem aparecer no mercado de trabalho. "Para se ter uma ideia, fiz um excelente primeiro semestre na USP e não tenho dúvidas que a base dada pelo Liceu Pasteur fez toda a diferença. Tenho na minha turma estudantes de outras importantes instituições e tenho certeza que estou em nível igual ou até superior quando o assunto é base escolar para ter sucesso daqui para frente", conclui Thales Paiva.

E na hora de aconselhar os futuros vestibulandos e amigos de Liceu Pasteur, os discursos dos dois ex-alunos seguem no mesmo tom. "O conselho para os colegas de Liceu é acreditar que estão em uma ótima instituição de ensino e preparados para o vestibular. Devem acreditar que são capazes de entrar nas melhores universidades do Brasil", concordam Rafael Meier e Thales Paiva.

Compartilhe: Voltar